Publicado: 26 de outubro de 2017 em:

A Morte de Momo Benaziza

Amigos leitores, segue aqui mais um episódio de “Triunfo e Tragédia“; Uma série que criei a respeito de algumas das trágicas histórias decorridas do uso de esteróides ou substâncias para performance. Tudo tem seu preço, sim eu sei, mas espero que essas histórias sirvam de alerta, assim como a morte de Mike Matarazzo. Minha intenção não é julgar o uso, eu promovo sim o fisiculturismo natural, mas amo o fisiculturismo em todas suas instâncias e variações. Amo o Old School, amo a era antiga onde não haviam tantos abusos, mas sim treino pesado – mas não deixo de acompanhar as novidades da nova era do bodybuilding – e torcer para que não ajam mais mortes, tentando alertar os novos praticantes. Enfim… Acompanhem e leiam a história de Mohammed Benaziza abaixo.

Mohammed Benaziza, mais conhecido como “Momo”, nasceu na Algéria, mas teve sua carreira iniciada na França. Momo venceu várias competições entre 1990 e 1992. Era conhecido por Joe Weider como o “Matador de Gigantes”, pois media apenas 1,60. Em breve postarei um texto com os menores bodybuilders da história. Aguardem. Leiam abaixo o triste fim de Momo.

Por Peter McCough

Um Top Pro da IFBB, chamado Mohammed Benaziza, morreu em 4 de outubro de 1992 em Den Haag, Holanda. Sua morte foi, e ainda é, a morte mais dramática e de alta importância na musculação; ocorrendo apenas algumas horas depois de ganhar o Grande Prêmio da Holanda. Momo (como ele era chamado) morreu devido a um ataque cardíaco causado por desidratação severa desencadeada pelo uso de diuréticos. Ele tinha 33 anos.

 

O campeonato holandês foi à última etapa da turnê européia da época pós-Olympia, e Porter Cottrell foi uma das estrelas itinerantes. Porter era um bombeiro em tempo integral e técnico em medicina de emergência licenciado e, por causa dessas habilidades, a dupla Momo e Porter estava destinada a ser o centro do palco, já que a turnê atingiu seu clímax trágico.

 

O FINAL DA EXCURSÃO

Esta é a conta gráfica de Porter das últimas horas de Momo, que ele me relatou uma semana após a tragédia.

 

No Pré Julgamento do Grande Prêmio da Holanda Momo deixou o palco várias vezes. Quando começamos a fazer nossas rotinas de poses, Momo estava encostada à parede e começou a vomitar profusamente. Não era somente tipo “ele se curvou e vomitou”. Ele era um projétil vomitando aquele material; Estava atirando a um metro na frente dele. Era como na cena de “O Exorcista”. Eu pulei para trás e disse para Ron Love, merda cara, ele está doente. A namorada de Momo disse algo sobre o fato dele ter comido algumas tâmaras. Momo então ralou pra andar até o banheiro e continuou a vomitar.

O banquete pós-concurso foi realizado no mesmo local (como o concurso). No meu entendimento Momo teve que ser ajudado a caminhar até o banquete. Começamos a sair para o nosso hotel cerca de 11:00 e eu estava na mesma van que a do Momo. Eu estava na frente com o motorista, Thierry Pastel, sua esposa e outro amigo, estavam na segunda fila. Momo e sua namorada estavam no banco de trás da van. Estava a cerca de 90 minutos de carro do hotel e durante este período, Momo encheu três sacos de plástico com vômito, que foram jogados pela janela.

Em um ponto, paramos em uma lojinha para levar a Momo algumas spring water (água comum nos Estados Unidos). Ele provavelmente estava tentando recuperar seus eletrólitos, já que eles haviam sido esgotados por tanto vomitar. Naquele momento, no entanto, eu ainda achava que ele estava doente de intoxicação alimentar.

Quando chegamos ao hotel Thierry e seus amigos ajudaram Momo a entrar no prédio. Ele estava andando, mas precisava de ajuda para entrar – ele estava meio que se apoiando em nós. Ele estava começando a tremer profusamente, até o ponto em que ele estava realmente lutando para andar sozinho. Sentamos ele numa cadeira e ele pediu água e algum eletrólito em pó. Mas ele continuou vomitando em um balde que estava bem ao lado dele.

 

Neste ponto, um médico foi chamado. Thierry e eu literalmente carregamos Momo para o quarto dele – ele era como um peso morto neste momento. Lembro-me de segurá-lo e todo o seu corpo estava tremendo. Suas mãos e pernas estavam muito úmidas. Era quase como se ele fosse paraplégico neste momento. Nós o deitaram na cama. Momo suspirou e disse: “Estou bem agora”.

 

AS HORAS FINAIS

Isso era cerca de 12h30 e, como eu acreditava que um médico estava no caminho, não estava preocupado: pensei que Momo ia ficar bem. Por volta das 4.30 da manhã, Steve Brisbois começou a bater na minha porta gritando: “Porter vem rápido, Momo está doente!”

O quarto de Momo estava a duas portas de distância e encontrei Momo sendo arrancado da cama por sua namorada, Thierry e Alq Gurley. As coisas começaram a ficar um pouco em pânico neste momento. Olhei para o meu Momo e vi que ele estava em uma parada cardíaca completa. O médico estava lá e nós começamos a fazer RCP juntos – o médico respirando na boca e fazendo compressões de tórax. Depois de cerca de três ou quatro minutos de compressões, Momo começou a vomitar, e assim, a cada poucos minutos, devíamos limpar a boca do vômito para evitar que ele engolisse a língua.

Depois de 20 minutos, eu sabia que Momo não conseguiria, mas não consegui desistir. Líquidos claros continuavam correndo continuamente do nariz e isso era um sinal de que seus pulmões estavam completamente cheios de líquido. Decidimos dizer a todos, além de mim e do médico, que saíssem da sala. Nessa altura, a namorada de Momo estava quase histérica.

 

Lembro-me de pensar que, porque Momo era tão musculoso que talvez minhas compressões não fossem profundas o suficiente. Mas quando os paramédicos chegaram e ligaram-no a um monitor cardíaco, eu podia ver que minhas compressões estavam perfeitas. Continuamos a fazer RCP e percebemos que ele estava ficando frio muito rapidamente. O monitor mostrou uma linha plana sem nem sequer uma cintilação – e só o tempo que registrou foi quando fiz uma compressão. Demorou cerca de 15 minutos para os paramédicos levarem Momo para o andar de baixo. Fizemos RCP por cerca de 40 a 45 minutos, o que é muito tempo – mas eu sabia que, após 20 minutos, era uma causa perdida. Os paramédicos levaram Momo para o hospital – sua namorada foi com ele.

Cerca de 25 minutos depois, o telefone tocou. Era um policial que perguntou se ele poderia ir ao meu quarto. Ele me disse que Momo tinha morrido e eu tive que sair e contar a todos. Então eu reuni todos juntos e eu estava tentando manter minha calma, mas mal conseguia falar porque queria desabar em lágrimas.

 

Eu disse a eles que Momo havia morrido. Nós nos juntamos e fomos ao hospital. Wayne DeMilia, Art Bedway e eu levamos o médico para um canto e perguntamos se poderíamos ver Momo e prestar nossa última homenagem. Eles estavam com Momo em uma sala isolada e um bocado de nós entrou. Além de mim, havia Juliette Bergmann, Wayne DeMilia, Art Bedway, Thierry e sua esposa, Henderson Thorne e Steve Brisbois. Geralmente, quando alguém morre, eles ficam completamente molescos, mas os olhos, a boca e os dedos de Momo ainda estavam abertos. Era como se mesmo estando morto, ele não podia relaxar.

 

ODE PARA MOMO

A mentalidade de Momo era que ele levou tudo ao extremo. Mais tarde, encontramos muitas coisas que ele estava usando na turnê. Foi assustador, Nubain foi uma das substâncias.

(Porter ficou bem emotivo quando ele falou as próximas palavras). Estou acostumado a fazer CPR, mas não em meus amigos. Era difícil, era estranho. Neste ponto [outubro de 1992], ele realmente não entrou. Posso estar sentado aqui, pensando em nada em particular, quando de repente eu me sinto pensando em Momo. O que me deixa triste é o quanto ele deve ter sofrido. Momo estava tentando realizar um sonho, mas ele levou isso muito longe.

 

Nota extra: Peter deixou alguns pontos principais que eu quero adicionar:

Momo não morreu devido à desidratação especificamente. Ele morreu porque estava tomando diuréticos poupadores de potássio. Quando você tem cãimbras severas ou tem desidratação extrema, uma das primeiras coisas que um médico geralmente faz é dar uma injeção de potássio / eletrólito.

O problema é que, se você fizer isso com alguém que esteja com diuréticos poupadores de potássio, você vai matá-lo.

Bem, foi o que aconteceu. O Dr. não testou seus níveis de potássio que já estavam altos lá no céu. Em vez disso, o Dr. deu-lhe a injeção e aumentou os níveis de potássio até o ponto tão alto que parou seu coração.

É exatamente assim que eles colocam os animais para o abate no veterinário.

Então, enquanto momo deveria ter sido inteligente o suficiente para saber como lidar com os diuréticos poupadores de potássio (somente água e sal), poderia ser o caso de investigar o Dr. que lhe deu a injeção de potássio, mesmo antes de verificar seus níveis de sangue. Isso que o matou …

 

Gabriel Ortiz

Gabriel Ortiz, bodybuilder natural lifetime, ou seja, nunca utilizou esteróides anabolizantes. Formado em Educação Física, atua como treinador em Brasília, já preparou e prepara vários atletas naturais, inclusive premiados com o título de profissional 'Pro Card' pela ANBF em Dez/16 nos Estados Unidos - FL. Redator e colunista desde 2006, cunhou o termo "Preconceito Muscular".

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar

Notify of
avatar
wpDiscuz